Printer-friendly version
Glossário em EAD


Browse the glossary using this index

Special | A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O
P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z | ALL

Page: (Previous)   1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  (Next)
  ALL

F

:
Bloco de papel (do inglês flip = piparote; chart = carta, quadro) constituído por folhas grandes, sustentadas por cavaletes, em que se escreve com pincéis durante apresentações verbais, como reforço ao texto falado.

G

:
Um dos principais mecanismos de busca na Internet.
:
Tons de cinza.
:
Software para trabalho colaborativo implementado em redes de computadores.
:
Troca de mensagens entre um grupo de usuários na internet, em geral cada grupo dedica-se a um tema específico.

H

:
(Handheld Device Markup Language) - Linguagem derivada do html.
:
Cabeça-cabeçalho. Marca o cabeçalho de uma página HTML.
:
Sistema numérico com 16 dígitos, utilizado na computação, para representar valores como endereços de memórias e códigos de cor.
:
Escondido/Invisivel. Propriedade de elementos no HTML.
:
Qualidade de quem pode fazer algo autonomamente, estando sempre associada a uma ação física ou mental. Capacidade intelectual, aptidão específica e talento especial para a realização de um exercício, ofício ou ministério. Refere-se a tudo aquilo que o aluno deve aprender a fazer desenvolvendo suas capacidades intelectuais, afetivas, psíquicas e motoras. Por exemplo: capacidade de organizar seu próprio estudo; capacidade de avaliar seu próprio trabalho e trabalhos de outros; capacidade de formular uma hipótese, realizar uma pesquisa; capacidade de coletar, organizar informações; capacidade de utilizar seus sentidos conforme a necessidade; domínio e utilização de seus movimentos e de sua ação motora; etc.
:
Opção dentro do ensino aberto para que o docente habilite a disciplina aos alunos disponibilizando o ambiente virtual.
:
Componentes físicos de um sistema computacional.
:
Ambiente de informações apresentadas por meios múltiplos (multimedia) e organizados em forma de rede capaz de ser navegada pelo usuário, como se fosse um hipertexto (hypertext).
:
Texto com ligações para outros documentos.
:
Uma hipótese é uma declaração de crença relativa a um fenômeno, fato ou relacionamento entre várias variáveis. Uma hipótese deve sempre ser testada contra fatos antes de ser aceita ou rejeitada. Características: são formuladas de maneira declarativa; devem descrever um relacionamento entre duas ou mais variáveis; devem ser testáveis; devem ser operacionais, no sentido de que não deve haver ambigüidade nas variáveis ou relacionamentos propostos; devem refletir uma preocupação com um problema, baseada em algum conhecimento, pesquisa anterior, ou necessidades identificadas. As hipóteses podem ser úteis para: explicar novos relacionamentos; estimular novas pesquisas; servir como fontes metodológicas; avaliar técnicas de pesquisa; levar a novos princípios.
:
Termo criado para designar página (hiperdocumento HTML) que o browser utiliza quando é inicializado.
:
Computador em uma rede, funciona como repositório para serviços disponíveis a computadores na rede.
:
(Software) Oferece ferramentas para o desenvolvimento de exercícios em ambiente educacional virtual com cursos oferecidos a distância.
:
(Hyper text Markup Language) – Software destinado ao desenvolvimento de hiperdocumentos disponíveis na WWW.

I

:
Programa de mensagens instantâneas.
:
Rede digital que integra vários serviços tais como: voz, dados, imagens, etc.
:
(Internet Explorer – V. 3.0/4.0/5.0/5.5) - Navegador desenvolvido pela Microsoft.
:
O termo interatividade surgiu no contexto das Novas Tecnologias de Informação e Comunicação, com a denominada geração digital. A interatividade está na "disposição ou predisposição para mais interação, para uma hiper-interação, para bidirecionalidade - fusão emissão-recepção -, para participação e intervenção". (SILVA, Marco. Que é Interatividade in Boletim Técnico do Senac. Rio de Janeiro, v.24, n.2 maio/ago, 1998). Portanto, não é apenas um ato de troca, nem se limita à interação digital, é a abertura para mais e mais comunicação, mais e mais trocas, mais e mais participação. 2. Atividade mútua e simultânea da parte dos dois participantes, normalmente trabalhando em direção de um mesmo objetivo (LIPPMAN, Andrew. 1988). 3. Em ambientes informáticos, pode-se perceber uma ênfase na capacidade da máquina, uma valorização da potencialidade técnica. Porém, entende-se que a interação não pode apenas ser entendida como uma variação quantitativa de velocidade de resposta do computador. É preciso valorizar a bidirecionalidade, a comunicação contextualizada, enfim, aquilo que ocorre entre os interagentes e a evolução inventiva e criativa dos relacionamentos. (http://usr.psico.ufrgs.br/~aprimo/pb/pgie.htm).
:
(Internet Protocol) Um protocolo da camada de rede (três) da pilha de protocolos TCP/IP.
:
Representação estruturada de dados.
:
Termo proveniente da teoria de sistemas, significa a informação ou os insumos que dão início a um processo.
:
Tipo de instituições de ensino superior que não se organizam como universidades ou centros universitários. Geralmente são denominadas faculdades ou institutos e, também, identificadas como instituições não-universitárias.
:
São escolas, de todos os níveis de ensino, que não pertencem ao Poder Público. Podem ser confessionais (que pertencem a algum grupo religioso), comunitárias ou particulares no sentido estrito, ligadas a grupos ou pessoas físicas ou jurídicas (LDB, art. 20).
:
Transmite a instrução , ensina.
:
– é uma abordagem curricular que vai além da justaposição de disciplinas e ao mesmo tempo evita a diluição das mesmas em generalidades. (...) O conceito fica mais claro quando se considera o fato trivial de que todo conhecimento mantém diálogo permanente com outros conhecimentos, que pode ser de questionamento, de confirmação, de complementação, de negação, de ampliaçãoe de iluminação de3 aspectos não distinguidos (Parecer CNE/CEB n.º 15/98, item 4.3)

Page: (Previous)   1  2  3  4  5  6  7  8  9  10  (Next)
  ALL